Rabo de Galo – o drink que vai ganhar o mundo


3 de novembro de 2018

Rabo de Galo – o drink que vai ganhar o mundo

Rabo de Galo – o drink que vai ganhar o mundo

 Por Cachaciê   •  17 agosto de 2017

Legenda: Rabo de Galo feito pelo bartender Jean Ponce, do bar Guarita – SP

Conversamos com Mestre Derivan, o mais renomado e experiente bartender do Brasil, para entender melhor o grande movimento, por ele liderado, para a valorização do Rabo de Galo.

Um movimento que objetiva levar o Rabo de Galo a ser o segundo coquetel brasileiro à base de cachaça da lista da IBA (International Bartenders Association). Essa seleta lista conta com quase 100 drinks considerados os clássicos do mundo e tem como base diversos destilados. Todo barman precisa conhecer e saber fazer os coquetéis dessa lista.

O Brasil tem apenas uma participante: a caipirinha. É fato que a caipirinha é um drink muito apreciado e difundido no mundo, sendo a grande responsável pela difusão do consumo de cachaça no mercado internacional.

Chegou a hora de empreender nova jornada para aumentar a presença do Brasil e da cachaça nesta carta da IBA. Esta inclusão será muito positiva para a coquetelaria brasileira, também para a cachaça. Saiba por quê:

Derivan Ferreira é conhecido e chamado por todos de Mestre Derivan, em virtude de sua vasta experiência e valiosa contribuição na formação de novos bartenders, efetiva contribuição para o desenvolvimento da coquetelaria brasileira e defesa da cachaça, como bebida nobre. Mestre Derivan é um decano da coquetelaria brasileira e o principal responsável pela internacionalização da caipirinha. É bartender do bar Número, em São Paulo/SP, membro da Cúpula da Cachaça e da IBA (International Bartenders Association), já tendo ocupado a Vice-Presidente da América do Sul da Entidade; e a diretoria da Associação Brasileira de Bartender.

 

 

Cachaciê: O que é o drink Rabo de Galo?

Mestre Derivan: Rabo de Galo é um drink criado por volta de 1954, em São Paulo, e espalhou-se por todo o Brasil, apenas com mudança de nome.

Sua criação deu-se com o propósito de elevar as vendas de uma marca italiana de vermute, que se estabelecera em São Paulo. Esta empresa criou um copo exclusivo para este drink, com as medidas marcadas no copo, até onde servia a cachaça e onde servia o vermute.

Cachaciê: Qual a receita original?

Mestre Derivan: A receita original é:

60 ml de cachaça

40 ml de vermute Rosso

Modo de preparo:

Em um mix glass coloque gelo em seguida os ingredientes, misture bem, sirva em uma taça martini gelada, finalize com uma casca de limão.

Cachaciê: Quando e por quem foi criado o Rabo de Galo?

Mestre Derivan: O Estado de São Paulo teve um programa para a comemoração do seu quarto centenário (1554 a 1954) eram muito comuns na época, ver as figuras do prefeito da cidade, o Sr. Janio Quadros e o Governador do Estado Lucas Nogueira Garcez, em sucessivas reuniões no Parque do Ibirapuera, em obras aceleradas para as grandes comemorações festivas.

Com uma visão futurista o engenheiro Lucas Nogueira Garcez, queria transformar São Paulo, em uma grande locomotiva do Brasil, não só nas indústrias, mas também culturalmente.

Foi dada a oportunidade a muitas empresas para estabelecer, especialmente em São Paulo, atraídos por grandes cargas de inserções e benefícios.

Juntamente com essas empresas, veio um produtor de bebida italiana, que queria produzir e comercializar vários produtos, olhando para a grande colônia italiana que vivem em São Paulo.

Esta empresa iniciou uma pesquisa para saber, o que as pessoas bebiam e como bebiam. A resposta foi rápida, bebem cachaça. A maneira mais comum era colocar cachaça em pequenos copos e antes de beber, oferecer um gole para o Santo, e algumas orações, pedindo proteção e até mesmo murmurar sabe-se lá o que. Aqui, os balcões eram sempre molhados, em suas bases em razão deste ritual. Ao final do dia, o odor de cachaça era muito forte. A ideia foi então associar a popular bebida brasileira ao seu produto principal, vermute Rosso.

Ele tomou cuidado para entender como o brasileiro toma a sua cachaça, e apenas seguiu o ritual. Coube a fábrica de vidros chamada Multividro, localizado no bairro de Belém, na cidade de São Paulo a criação do copo diferenciado seguindo as especificações dos italianos, para o serviço de sua bebida junto com a cachaça.

Este copo tinha marcas destacadas para o vermute e outra para a cachaça, não tinha como errar.

A etapa seguinte era dar um nome a esta mistura, a sugestão inicial foi chamá-lo de Cocktail, termo muito usado na Europa e América. Cocktail foi prontamente rejeitado. O nome devia estar em português, então foi feita a tradução e ficou – Rabo de Galo.

Cachaciê: Podemos dizer que é o segundo drink mais tradicional do Brasil?

Mestre Derivan: O Rabo de Galo e suas variações é o cocktail mais bebido no Brasil, dos 1,3 bilhões de litros de cachaças consumidos nos Estados brasileiros, 60 a 70% é de Rabo de Galo.

Cachaciê: Qual importância cultural deste drink?

Mestre Derivan: Em um momento que os mixologistas, bartenders estão em pesquisas sobre as historias e origens da coquetelaria brasileira, o Rabo de Galo é o mais cultuado por este seguimento, é sem sombra de duvidas um ícone da coquetelaria brasileira.

Cachaciê: Por que este drink não é tão servido em bares e restaurantes mais sofisticados?

Mestre Derivan: Este é o drink que esta emergindo do seguimento popular e frequentando a carta de bares elegantes das grandes cidades. Já existem há três anos, em São Paulo, a semana do Rabo de Galo.

Cachaciê: Qual a vantagem de um drink fazer parte da carta internacional de drinks?

Mestre Derivan: Nós já temos a caipirinha, mas a cachaça merece muito mais que isso, vamos mostrar ao mundo que além de ser deliciosa pura ou em caipirinhas podemos diversificar o uso do nosso mais importante destilado – a cachaça, misturando-a ao vermutes, licores, sucos, frutas e outras misturas que fazemos com outros destilados.

Cachaciê: A iniciativa de colocar o Rabo de Galo na carta internacional nasceu com você?

Mestre Derivan: Esta iniciativa já vem sendo feita por vários produtores que exportam a cachaça, porem agora recebeu o apoio do IBRAC, da Cúpula da Cachaça, da Confraria Paulista da Cachaça e de grandes Bartenders Brasileiros e Estrangeiros.

Legenda: Rabo de galo do Ipo Bar

Cachaciê: Qual o caminho precisa ser percorrido para a inclusão do Rabo de Galo na carta internacional?

Mestre Derivan: O início começa em realizar um grande “I Concurso Nacional do Rabo de Galo”, que reúne bartenders de vários Estados brasileiros, para começar o grande movimento, e depois levar para vários veículos de mídia internacionais.

Cachaciê: Quando o drink será apresentado como opção para inclusão na carta?

Mestre Derivan: Ele já seguiu para vários veículos internacionais, como I.B.A. (International Bartenders Association), International Drinks, Impact Magazine e outras. Estamos em campanha ativa.

Cachaciê: Quem vota e como é a escolha de um novo drink para entrar na carta internacional?

Mestre Derivan: Hoje existem uma grande quantidade de meios de tornar este drink internacional, a própria IBA esta solicitando aos vários países filiado a ela que envie novos cocktails para expandir os números de cocktails de origem.

Cachaciê: Que trabalho prévio precisa ser feito para tornar o drink conhecido, valorizado, bem avaliado e conceituado junto aos membros da associação internacional, que decidem pela inclusão?

Mestre Derivan: Primeiro enviar a receita original para todos os membros filiados, em seguida, divulgar no Brasil, através das mídias sociais e veículos de comunicação. Não há necessidade de votos, pelo menos não desta vez, pois é uma solicitação da própria associação.

 

Cachaciê: Estão abertas inscrições para o Concurso Nacional de Rabo de Galo, qual o principal objetivo deste concurso realizado por você?

Mestre Derivan: O grande objetivo é dar a oportunidade para muitos profissionais de bares e restaurantes de criarem uma nova e inédita releitura do Rabo de Galo, estabelecendo uma comunicação com os seus clientes, sobre a possibilidade de usar muito mais a cachaça como ingrediente principal em suas criações.

Informações, programação e inscrições no site:www.concursonacionalrabodegalo.com.br. O evento será em São Paulo nos dias 21 e 22 de agosto/17.

Cachaciê: O caminho percorrido para a caipirinha entrar na carta internacional foi o mesmo?

Mestre Derivan: Não, os tempos eram outros e o sistema era único. Hoje temos várias formas de promover um cocktail ao patamar internacional.

Cachaciê: Quando a caipirinha entrou na carta internacional de bartender?

Mestre Derivan: O processo de inclusão iniciou em 1990 e terminou em 1994, com a inclusão no catálogo dos cocktails internacionais. Desde então, a caipirinha passou a ser conhecida e servida em todo o mundo, tornando-se um símbolo de nosso país e uma importante porta de entrada para consumidores conhecerem mais e melhor a cachaça.

Cachaciê: O que esta inclusão significou para a cachaça?

Mestre Derivan: A cachaça passou de um simples destilado local para um ingrediente de um cocktail internacional, elevou a cachaça a um nível de produto de qualidade e passou a figurar em cardápios de drinks em todo o mundo, e também em varias publicações internacionais. Este foi um grande ganho para a cachaça.

Cachaciê: Qual foi sua participação neste trabalho realizado com a caipirinha?

Mestre Derivan: Envolvimento total. Fui formado pela IBA (International Bartenders Association) e tinha um desejo de incluir um drink brasileiro em vários países, com a ajuda de vários bartenders e amigos conseguimos fazer esta inclusão.